BRASIL · Parcele suas compras em até 3 x sem juros com o Paypal, parcelas mínimas de R$ 50,00

Psicologia para criativos
Dicas e sugestões de como manter a originalidade e sobreviver no trabalho

Um livro de Frank Berzbach

 

Onde comprarR$49,50

Cumprir os prazos de um projeto, corresponder às expectativas do cliente, trabalhar em casa de forma disciplinada e sem perder a motivação, cumprir jornadas que não se estendam até altas horas da madrugada, organizar e priorizar de forma eficaz as tarefas pendentes... Se você é designer, ilustrador ou trabalha com criação, provavelmente já se viu diante de uma (ou algumas) dessas situações.

Os psicólogos definem criatividade como “a produção de ideias novas e adequadas em qualquer âmbito da atividade humana”. Mas a criatividade é também um ofício e, como tal, acarreta uma série de condições e situações que nem sempre são fáceis de administrar. Neste livro, Franz Berzbach analisa com humor e lucidez os fatores que condicionam o rendimento e a capacidade criativa dos profissionais de design, proporcionando uma série de reflexões e conselhos práticos para evitar o desânimo no dia a dia do estúdio, da agência ou no trabalho remoto.

Desde ilustradores que trabalham sozinhos em casa até diretores de arte responsáveis por uma grande equipe multidisciplinar, qualquer perfil criativo encontrará nestas páginas um retrato esclarecedor do mundo laboral e um guia prático para adquirir bons hábitos de trabalho e não se deixar bloquear ao longo da trajetória profissional.

Descrição técnica do livro:

176 páginas
Português
ISBN/EAN: 9788584520008
2013
Descrição
Descrição

Detalhes

Cumprir os prazos de um projeto, corresponder às expectativas do cliente, trabalhar em casa de forma disciplinada e sem perder a motivação, cumprir jornadas que não se estendam até altas horas da madrugada, organizar e priorizar de forma eficaz as tarefas pendentes... Se você é designer, ilustrador ou trabalha com criação, provavelmente já se viu diante de uma (ou algumas) dessas situações.

Os psicólogos definem criatividade como “a produção de ideias novas e adequadas em qualquer âmbito da atividade humana”. Mas a criatividade é também um ofício e, como tal, acarreta uma série de condições e situações que nem sempre são fáceis de administrar. Neste livro, Franz Berzbach analisa com humor e lucidez os fatores que condicionam o rendimento e a capacidade criativa dos profissionais de design, proporcionando uma série de reflexões e conselhos práticos para evitar o desânimo no dia a dia do estúdio, da agência ou no trabalho remoto.

Desde ilustradores que trabalham sozinhos em casa até diretores de arte responsáveis por uma grande equipe multidisciplinar, qualquer perfil criativo encontrará nestas páginas um retrato esclarecedor do mundo laboral e um guia prático para adquirir bons hábitos de trabalho e não se deixar bloquear ao longo da trajetória profissional.

Frank Berzbach (1971) é professor de psicologia e pedagogia de mídia na Ecosign Academy for Design e na Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade de Colônia, Alemanha.

Índice
Índice
Indice da conteúdos
 
CAPÍTULO 1
CRIAR
O que podemos esperar da criatividade?
               Você se sente bem em seu trabalho?
               Primeiro construir, depois polir
O modelo de fases da criatividade
               1. A preparação é o segredo do sucesso
               2. Desprender-se e incubar
               3. Eureca!
               4. Perseverar e implantar
               5. Todos na contramão!
Quais os benefícios das técnicas de criatividade?
               Coincidências não existem
               Imagens são inteligentes
               A sabedoria do narrar
               Bricolagem e estranhamento
Os artistas e a criatividade
               Improvisação
               O ser humano como ser criativo
               A criatividade como forma de vida
 
CAPÍTULO 2
TRABALHAR CORRETAMENTE
Por que trabalhamos?
O que você faz?
O contrato psicológico e a motivação
Transformar motivação externa em interna
Criticar o trabalho dos outros
Criticar o comportamento dos outros
O mito do fluxo e o trabalho como estado paradisíaco
Como lidar com nossa energia
Mais rapidez, mais desempenho, mais além
Será que hoje devo fazer de novo aquilo que quero fazer?
Lidar com o tempo de forma prática
Você só pode atingir uma meta previamente estabelecida
Metas sem prazos permanecem sonhos
Ordenar as metas: estabelecer prioridades
Chegar atrasado e esquecer suas metas
Para onde foi o tempo?
Designers altruístas e prestativos
Aprender a dizer não
A arte da discórdia
Cego de rancor
O que fazer?
Trabalho individual ou em equipe
Propriedades do trabalho em equipe
Como se forma uma equipe?
Qual é o papel da gestão de equipe?
Deve haver um bom entendimento entre os membros da equipe?
Como se desenvolve a cooperação?
Riscos e efeitos colaterais do trabalho em equipe
 
CAPÍTULO 3
TRABALHAR POR CONTA PRÓPRIA
O que conta é o resultado
Desvantagens do trabalho remoto
Falta de autodisciplina?
Péssimo humor
Vantagens do trabalho remoto
Família, profissão e trabalho remoto
Trabalho remoto coletivo
A psicologia do autônomo
 
CAPÍTULO 4
TRABALHAR PARA OS OUTROS
Comunicação não verbal
Distância social e território
O escritório dos “cães de guarda”
Comunicação verbal
Ferramentas para uma boa comunicação
Como reagimos diante de mensagens?
Regras básicas para se fazer entender
Prestação de serviço e satisfação do cliente
Expectativas conduzem à percepção
Satisfação latente ou manifesta?
Tenha um pouco de paciência, por favor!
Boas maneiras?
Trajes apropriados?
 
CAPÍTULO 5
TRABALHAR INCORRETAMENTE
Maldição e bênção da motivação pelo desempenho
O estresse cotidiano e o incentivo ao desempenho
O estresse pode afetar o corpo e a mente
Batendo a cabeça contra a parede
A reação do corpo humano ao estresse
               Estresse? Quem, eu?
Lidar com o estresse de forma produtiva
Colapso e exaustão
Sinais e sintomas
A caminho do colapso
Mulheres à beira de um ataque de nervos
Imediata tomada de providências e prevenção
Banalização do burnout
 
CAPÍTULO 6
NÃO TRABALHAR            
Trabalho sem fim?
A falta de capacidade ociosa
O mito do equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal
O mundo insone
 
BIBLIOGRAFIA
AGRADECIMENTOS
Leia um trecho
Leia um trecho

Trecho do capítulo

CAPÍTULO 1
CRIAR

Tudo o que você vê neste instante é resultado de algum processo criativo. A roupa que você usa, o livro que você lê, a cadeira na qual você está sentado e o prédio onde você se encontra. Mesmo aquilo que percebemos como natureza é uma paisagem cultural criada pela intervenção humana. A criatividade, portanto, é onipresente. Uma instigante tese diz que pessoas inteligentes fazem o que devem: elas solucionam problemas em um dado contexto. Já as pessoas criativas fazem o que querem: elas mudam a questão proposta quando esta lhes parece imprópria. Ou seja, pessoas criativas têm um potencial de interferência. Nesse sentido, o que nos vem à mente em primeiro lugar são a arte e o design.

O que podemos esperar da criatividade?

Psicólogos definem criatividade como a “produção de ideias novas e apropriadas, em todos os âmbitos da atividade humana”. Trata-se, portanto, não apenas de personalidade. Por exemplo, os métodos com os quais você trabalha podem ser criativos. Criativas podem ser também as condições estruturais, o clima de trabalho. Como temos uma enorme expectativa em relação à criatividade, predominam nessa esfera muitos equívocos. Siegfried Preiser e Nicola Buchholz listam, nesse sentido, 21 preconceitos, entre eles o de que a criatividade cabe apenas a gênios ou pessoas extremamente talentosas, o que não é verdade. A criatividade não é um processo insondável – mas também não é algo tão evidente como os processos usuais de pensamento.

A criatividade é mensurável, embora de forma muito imprecisa. Ela pode ser avaliada, mas não existem, para tal, critérios definitivos. Nem todo mundo pode se tornar um Picasso por meio do esforço e da dedicação, mas, mesmo assim, não se pode dizer que a criatividade seja apenas uma questão individual. Há pessoas que são criativas, outras que se tornam criativas – e, infelizmente, também o contrário.

Essas pequenas ambiguidades já bastam para mostrar que as expectativas em relação à criatividade são exageradas. Hartmut von Hentig acredita que essas falsas esperanças são expressão de nossa insolubilidade. No campo da criatividade, subsiste aparentemente um pouco de nossa natureza selvagem. De modo geral, os pesquisadores concordam que cada pessoa possa evoluir e desenvolver sua própria criatividade. Além disso, o conhecimento proporciona consideráveis estímulos para os processos criativos – é desse material que colhemos referências ao exercer a criatividade. Podemos citar ainda um último preconceito, infelizmente bastante comum entre designers: o do “caos criativo”. Hartmut von Hentig vai diretamente ao ponto: “Desconfio plenamente daqueles que afirmam que a ordem, a disciplina e a tradição são inimigas da criatividade – elas são, muitas vezes, seu pressuposto”.  

Você se sente bem em seu trabalho?

O clima de trabalho tem grande influência sobre seu empenho criativo. Psicólogos observam que a margem de autonomia é decisiva. Você pode participar das decisões relativas ao cronograma e ao modo de implementação de suas funções? Você pode escolher de forma relativamente autônoma suas tarefas, ou pelo menos expressar suas aspirações? É você quem determina como você deve realizar uma função? Os resultados da psicologia do trabalho são claros: uma maior liberdade de atuação fomenta a criatividade e intensifica a motivação. Isso se aplica não apenas às hierarquias e aos espaços livres de atuação em agências, mas também àqueles que você concede a si mesmo. [...]

Copyright dos textos: os autores
Copyright da presente ediçao: Editorial Gustavo Gili SL

O que a imprensa disse
O que a imprensa disse

Psicologia para criativos

(Redação, Design Culture, 10/13)

Acceder

«Os psicólogos definem criatividade como “a produção de ideias novas e adequadas em qualquer âmbito da atividade humana”. Mas a criatividade é também um ofício e, como tal, acarreta uma série de condições e situações que nem sempre são fáceis de administrar.» (Redação, Design Culture, 10/13)

Psicologia para criativos

(Redação, ABC Design, 06/14)

Acceder

«Psicologia para criativos é um livro de Frank Berzbach, um professor de psicologia e de pedagogia da mídia na Ecosign Academy for Design da faculdade de ciências aplicadas da Universidade de Colônia.» (Redação, ABC Design, 06/14)

Psicologia para criativos

(Dalmir, Designers Brasileiros, 08/16)

Acceder

«Cumprir os prazos de um projeto, corresponder às expectativas do cliente, trabalhar em casa de forma disciplinada e sem perder a motivação.»(Dalmir, Designers Brasileiros, 08/16)

Resenhas de Cliente

Dê-nos sua opinião

Escrever sua própria revisão

Você está revisando: Psicologia para criativos

Como você avalia este produto? *