O ABC da Bauhaus
A Bauhaus e a teoria do design

Novidade

O abc da Bauhaus, publicado pela primeira vez em 1991, descreve as origens e o impacto da Bauhaus no que se refere a design, psicanálise, geometria, educação infantil e cultura popular. O texto é uma exploração provocativa dos objetivos e realizações da escola, enquanto o livro em si é um manifesto dos ideais da Bauhaus, sintetizando o conceito editorial, a tipografia e o trabalho artesanal. Concebido pelos editores de uma maneira que homenageia as aspirações da Bauhaus, este extraordinário manual é uma fonte de inspiração para os profissionais de design e uma revelação para todos aqueles que se interessam pela cultura do século XXI.

Descrição técnica do livro:

21 x 27,5 cm
72 páginas
Português
ISBN/EAN: 9788584521272
Brochura
2019


Descrição
Descrição

Detalhes

O abc da Bauhaus, publicado pela primeira vez em 1991, descreve as origens e o impacto da Bauhaus no que se refere a design, psicanálise, geometria, educação infantil e cultura popular. O texto é uma exploração provocativa dos objetivos e realizações da escola, enquanto o livro em si é um manifesto dos ideais da Bauhaus, sintetizando o conceito editorial, a tipografia e o trabalho artesanal. Concebido pelos editores de uma maneira que homenageia as aspirações da Bauhaus, este extraordinário manual é uma fonte de inspiração para os profissionais de design e uma revelação para todos aqueles que se interessam pela cultura do século XXI.

Ellen Lupton é designer gráfica, diretora do Mestrado em Design Gráfico do Maryland Institute of Art (MICA), curadora de Design Contemporâneo do Cooper-Hewitt, National Design Museum e diretora do Center for Design Thinking de Baltimore. Ela também é autora de diversos livros sobre design, entre eles: Intuição, criação, ação: Graphic Design Thinking, Pensar com tipos, Tipos na tela, Novos fundamentos do design e ABC da Bauhaus, todos publicados pela Editora Gustavo Gili.

J. Abbott Miller usa o design para explorar e interpretar a arte, a arquitetura, o espaço público, a performance, a moda e o design. Como sócio do escritório da Pentagram em Nova York, ele combina o trabalho de editor, escritor, curador e designer.

Índice
Índice

Sumário

Prefácio da nova edição
Ellen Lupton e J. Abbott Miller

O ABC do 5nl: a Bauhaus e a teoria do design
Ellen Lupton e J. Abbott Miller

Escola elementar
J. Abbott Miller

Dicionário visual
Ellen Lupton

O nascimento de Weimar
Tori Egherman

Tipo Universal de Herbert Bayer em seus contextos históricos
Mike Mills

Apêndice: o gênero do Universal
Mike Mills

5n l: um teste psicológico

5 e l em relação a n: psicanálise e geometria
Julia Reinhard Lupton e Kenneth Reinhard

Design em N dimensões
Alan Wolf

Para além do 5n l: geometria fractal
Alan Wolf

Leia um trecho
Leia um trecho

Prefácio da nova edição

Ellen Lupton e J. Abbott Miller

O nome Bauhaus tornou-se símbolo de um momento áureo de pensamento unificado em torno das formas, dos materiais e das ambições sociais do design moderno. Fundada em Weimar, na Alemanha, em 1919 e abolida pelos nazistas em Berlim em 1933, a escola Bauhaus era um local de encontro das artes e das ideias, conflituoso e em constante mudança. O mito Bauhaus traduz uma ânsia pela funcionalidade e um desejo de libertar o mundo por meio de uma linguagem de design universal. Na realidade, a Bauhaus era um lugar desordenado e instável. Na Bauhaus, as ideias repercutiam, confrontavam-se e disputavam a dominância. Este livro aborda algumas dessas ideias centrais – de onde vinham, como se cristalizavam e como, quase um século depois, continuam a reverberar na cultura popular.

Este livro é sobre teoria. Uma teoria é um princípio que procura explicar fenômenos diversos, um conceito sucinto capaz de lançar alguma luz sobre inúmeras situações. Durante as décadas de 1910 e 1920, artistas e arquitetos de toda a Europa usaram o poder de abstração da teoria para abalar as práticas convencionais em relação à arte, à publicidade e ao texto. Os carismáticos líderes do futurismo, do dadaísmo, do construtivismo e do De Stijl inflamavam a imprensa com seus manifestos e palestras. Muitas das figuras mais influentes da vanguarda da época participaram da Bauhaus como professores, alunos, visitantes ou questionadores. Os livros publicados pela Bauhaus formaram um corpus teórico que até hoje continua sendo desvendado por designers, arquitetos e educadores.

Uma das teorias mais influentes propagada na Bauhaus era a noção de que o design bidimensional é uma linguagem estruturada por leis universais da geometria e da percepção. Esse conceito, que ganhou forma nos textos publicados por Paul Klee, Wassily Kandinsky e László Moholy- -Nagy durante o período em que passaram pela escola, foi elaborado por inúmeros designers e educadores no período pós-guerra. A teoria da linguagem visual era a base dos exercícios concebidos para treinar o olhar e a mente dos alunos nas leis da abstração. A teoria invadiu também a prática, inspirando o design de livros, cartazes, produtos, estampas e fontes tipográficas, que transmitiam o caráter didático e o envolvimento óptico dos exercícios realizados em classe. As pedagogias da Bauhaus originaram-se, em parte, de uma revolução educacional anterior: o movimento do jardim da infância, fundado por Friedrich Froebel no século XIX, na Alemanha. Froebel queria educar as crianças pequenas com uma rotina de exercícios manuais com formas geométricas puras, baseados em ofícios.

Quando O ABC do 5n l foi publicado pela primeira vez, em 1991, uma nova escrita crítica sobre design e tipografia estava ganhando forma. Em todo o mundo, designers lutavam contra os limites do pensamento modernista, ao mesmo tempo em que celebravam seu otimismo e clareza estrutural. Universitários no início da década de 1980, nós estudávamos arte e design na Cooper Union e entre nossos professores estavam o modernista tcheco George Sadek e o artista político alemão Hans Haacke. Na época em que escrevemos este livro, aspirávamos nos tornar estudantes de história da arte no CUNY Graduate Center (Centro de Estudos de Pós-Graduação da City University of New York), onde trabalhávamos com Rosalind Krauss, a lendária crítica de arte moderna, e Rosemarie Haag Bletter, a pioneira historiadora de arquitetura e design. Tínhamos a mente impregnada com as regras de hierarquia tipográfica, o imperativo da crítica institucional e a história conflituosa da vanguarda. Este livro, que acompanhou uma exposição no Centro Herb Lubalin de Estudos de Design e Tipografia da Cooper Union, é uma tentativa ambiciosa de unir a escrita crítica a um layout de página fluido e autorreferente. Nestas páginas, a crítica de design encontra a tipografia introspectiva. O ano de 1991 foi o alvorecer do design digital. Usamos um híbrido de técnicas digitais e manuais para produzir este livro, compondo as galés de tipos em um sistema de composição digital Compugraphic e construindo o layout das páginas à mão com cera quente, camadas de filme rubi e acetato, e dezenas de lâminas de estilete. O esforço físico e mental incorporado neste livro expressa nosso constante fascínio pela história do modernismo e nosso desejo de suscitar ideias críticas sobre design gráfico.

Julho de 2018

Copyright dos textos: os autores
Copyright da presente ediçao: Editorial Gustavo Gili SL

Leia no GGBlog
Leia no GGBlog

Resenhas de Cliente

Dê-nos sua opinião

Escrever sua própria revisão

Você está revisando: O ABC da Bauhaus

Como você avalia este produto? *