Mobiliário para o design de interiores

Mobiliário para o design de interiores é um guia prático e ricamente ilustrado para a especificação e o arranjo de móveis manufaturados, além de também mostrar ao leitor como projetar, detalhar e encomendar a fabricação de peças, sejam elas produzidas em série, sejam especiais, feitas sob encomenda para um projeto de arquitetura.

- Os estudos de caso mostram exemplos contemporâneos de móveis criados por designers renomados.

- As sequências passo a passo guiam o estudante através dos processos de fabricação e mostram como encomendar móveis feitos sob encomenda.

- Explica-se o uso de diversos materiais, como madeira, metal, concreto e plástico.

- Explora-se os aspectos técnicos do desenvolvimento do design e da representação gráfica, da elaboração de maquetes e das especificações.

Descrição técnica do livro:

21.6 x 28 cm
192 páginas
Português
ISBN/EAN: 9788584520268
Brochura
2015 (2ª tiragem)


Descrição
Descrição

Detalhes

Mobiliário para o design de interiores é um guia prático e ricamente ilustrado para a especificação e o arranjo de móveis manufaturados, além de também mostrar ao leitor como projetar, detalhar e encomendar a fabricação de peças, sejam elas produzidas em série, sejam especiais, feitas sob encomenda para um projeto de arquitetura.

- Os estudos de caso mostram exemplos contemporâneos de móveis criados por designers renomados.

- As sequências passo a passo guiam o estudante através dos processos de fabricação e mostram como encomendar móveis feitos sob encomenda.

- Explica-se o uso de diversos materiais, como madeira, metal, concreto e plástico.

- Explora-se os aspectos técnicos do desenvolvimento do design e da representação gráfica, da elaboração de maquetes e das especificações.

Drew Plunkett foi chefe do Departamento de Design de Interiores da Glasgow School of Art e é autor de vários livros, incluindo Drawing for Interior Design (2009) e Construction and Detailing for Interior Design (2010).

Sam Booth é sócio fundador do escritório de design multidisciplinar LWD e atualmente trabalha como professor visitante na Edinburgh College of Art nos departamentos de Design de Interiores e Design de Produtos.

Índice
Índice

Sumário

Introdução

PARTE 1 CONTEÚDO E CONTEXTO
PARTE 2 OS TIPOS DE MÓVEIS
PARTE 3 OS MATERIAIS E A MANUFATURA
PARTE 4 A EVOLUÇÃO DE UM PROJETO

Glossário
Leitura recomendada
Índice
Créditos das ilustrações
Agradecimentos

Leia um trecho
Leia um trecho

Trecho da Introdução

Sem o mobiliário, não há

Os designers de interiores trabalham dentro dos limites criados pelas vedações externas das edificações preexistentes, que, às vezes, são novas, mas que geralmente são antigas e necessitam adaptações para renovar sua estética, criar novas identidades e acomodar novas funções. Este livro irá explorar o papel do mobiliário no processo de transformação de interiores vazios e de baixo desempenho, isto é, os processos de desenho, criação e seleção de móveis e as estratégias de uso.

Como disse o arquiteto Norman Foster: “O mobiliário é como a arquitetura em um microcosmo”. Assim, deve ser mais sensível que o exterior de qualquer edificação, pois os usuários mantêm um contato visual e físico direto com os móveis e vivenciam sua eficiência prática e sua linguagem estética.

As dimensões físicas e o caráter estético de qualquer pele de edificação irão e deverão influenciar a natureza do novo interior nela inserido. O mobiliário exercerá um papel fundamental – provavelmente o mais importante – no refinamento das novas instalações e na interação física entre os elementos internos e seus usuários, devendo cumprir sua obrigação prática de dar suporte à atividade humana sem comprometer a eficiência ou o conforto. Deve também cumprir a obrigação menos tangível de estimular e satisfazer os apetites estéticos dos usuários independentemente do caráter utilitário ou hedonista da atividade a que o projeto se destina. Ainda que um designer deva saber como construir os elementos principais de uma edificação – paredes, pisos e tetos –, também é importante que domine e aprimore as habilidades práticas em que consiste a linguagem arquitetônica miniaturizada do mobiliário. Não importa o quão magnífica é a intenção conceitual; se a solução prática for ruim, provocará e merecerá respostas negativas.

A forma será definida pela função. As formas genéricas, que evoluíram para servir e enriquecer a variedade de atividades físicas e intelectuais praticadas pelos seres humanos, são a base de uma linguagem estética compartilhada pelos designers e usuários a partir da qual cada nova peça será avaliada. As cadeiras devem servir para se sentar. Os tampos de mesa devem ser horizontais. As dimensões serão determinadas pelas limitações do corpo humano, e os materiais, pelos diferentes graus de uso e abuso a que estiverem sujeitos. No entanto, embora seja fácil atender a essas questões práticas prescritas, o sucesso de um móvel dependerá, acima de tudo, da sua capacidade de satisfazer e estimular a experiência sensorial do usuário, que sentirá diretamente sua textura e temperatura. Ele afetará a acústica do cômodo em que se insere, seja ela boa, seja ruim, e seu odor poderá dominar e caracterizar esse ambiente. O móvel deixará uma impressão nos usuários, e estes provavelmente também lhe deixarão uma marca.

Do layout simples e utilitário das cadeiras de plástico empilháveis em uma sala de reunião que, sem elas, ficaria vazia e sem caráter algum, a peças que vão além das definições e expectativas convencionais, tornando-se algo similar à escultura ou à arquitetura interna, o mobiliário inevitavelmente transmite valores simbólicos, estéticos e culturais. O balcão da recepcionista no saguão de entrada de um escritório pode refletir o status e o tipo de trabalho do local. As cadeiras no lobby de um hotel podem indicar a qualidade das experiências que ele oferece. O balcão de atendimento de um bar se torna sua identidade. O mesmo espaço vazio pode ser ocupado com diferentes móveis organizados em diferentes layouts, e cada variação lhe conferirá uma identidade distinta – formal ou informal, prático ou romântico, tranquilo ou vibrante –, sem fazer referência à arquitetura da pele original, apenas utilizando-a como um envoltório para intensificar a percepção do novo.

Ao longo do livro, a palavra “mobiliário” será empregada para descrever qualquer elemento que for independente, em termos funcionais, das paredes, do piso e do teto que delimitam o espaço em que ele se insere. O mobiliário pode estar embutido nas paredes ou fixado nas paredes ou no piso, pois a maioria dos móveis criados por designers de interiores, além de consistir em componentes que definem o projeto, visa resolver as idiossincrasias dos layouts e dos espaços. O mesmo status é outorgado às peças únicas e à variedade de opções fabricadas cujas características foram especificadas em vez de desenhadas.

É pouco provável que os designers tenham a oportunidade, ou obrigação, de dedicar tempo necessário à produção de um bom móvel na frenética fase de criação da maioria dos projetos de interiores; é inclusive questionável se isso seria apropriado. As complexidades envolvidas na criação de algo aparentemente tão simples e familiar como uma cadeira – o ajuste das dimensões e o teste da estrutura – exigem uma especialização própria. A produção em massa de móveis testados e revisados por designers especializados em fábricas especializadas é, de modo quase inevitável, mais eficiente e rentável. Neste livro, os móveis produzidos em massa serão descritos como móveis “especificados”, o que significa que um designer de interiores escolherá os móveis a partir do catálogo de opções preexistentes do fabricante, especificando o modelo, os acabamentos e o desempenho, se preciso, e o número de peças necessárias.

Há ocasiões em que as necessidades particulares de um projeto justificarão a produção de alguns móveis feitos sob encomenda, como assentos de restaurantes ou expositores, e o designer de interiores pode e deve aproveitar com entusiasmo as oportunidades que essas peças lhe oferecem de usar a criatividade. A fabricação de móveis em pequenas quantidades é classificada como “produção em lotes”, e o trabalho, geralmente, é feito em local especializado.

Copyright dos textos: os autores
Copyright da presente ediçao: Editorial Gustavo Gili SL

O que a imprensa disse
O que a imprensa disse

Mobiliário para o design de interiores

(Nayara Sartorato, Design Culture, 09/15)

Ler mais

«Como o título sugere, a leitura trata dos Móveis no Design de Interiores, de maneira hora ampla, hora focada. Bem escrito, exige uma atenção do leitor, e uma vontade de entender o Design de Interiores além da futilidade com que muitos encaram.» (Nayara Sartorato, Design Culture, 09/15)

Resenhas de Cliente

Dê-nos sua opinião

Escrever sua própria revisão

Você está revisando: Mobiliário para o design de interiores

Como você avalia este produto? *

Profª Alice
Excelente livro, muito ilustrado e didático. Destaco o capítulo sobre os tipos de móveis.
Livro muito bom! Como professora de disciplina de Arquitetura de Interiores utilizei em minhas aulas, especialmente com relação ao capítulo que aborda os tipos de móveis. Excelente livro, muito ilustrado e didático.
Prof. Alex Couri
Ótima fonte de pesquisa sobre o tema para estudantes, professores e profissionais.
Ótima publicação sobre desenvolvimento do mobiliário avulso e incorporado a arquitetura, ricamente ilustrado com detalhamento de projetos e teoricamente bem embasado.
Prof. Alex Couri
Excelente fonte de pesquisa sobre o tema para estudantes, professores e profissionais.
Ótima publicação sobre desenvolvimento do mobiliário avulso e incorporado a arquitetura, ricamente ilustrado com detalhamento de projetos e teoricamente bem embasado.
Profª Karoline Guimarães
Gostei!
Gostei muito! Totalmente ilustrado e colorido, fala sobre mais tópicos que o esperado, porém de maneira rasa. Diagramação e ortografia impecáveis! Indico!
Larisse
Recomendado!
O livro é ricamente ilustrado, e devidamente referenciado, com mobiliários diversos, incitando a reflexão do leitor no que diz respeito ao contexto (momento histórico) de criação, emprego de materiais, técnicas e tecnologias e apelo estético.
Paludetto
Excelente
Excelente livro, conteúdo técnico e teórico, muito bom