Indicação do parceiro: Visuarea sobre o livro Urbanismo ecológico na América Latina

Por João Taboada- Urbanismo Ecológico na América Latina é uma grande compilação de textos de diversos autores latinos sobre os temas urbanismo e ecologia. Iniciativa da Harvard University, o livro traz uma infinidade de pensamentos.

Reflexões e soluções voltados para a relação homem x espaço urbano. Numa época em que, cada vez mais, se discute o problema da estabilidade climática, da poluição urbana, do aproveitamento do espaço nas cidades, da cidade enquanto parte inerente de nossas vidas, Urbanismo Ecológico na América Latina procura trazer-nos uma luz sobre como lidar com esta problemática toda.

O livro se divide em sete capítulos que são “Antecipar”, “Colaborar”, “Sentir”, “Incluir”, “Mobilizar”, “Curar” e “Adaptar”, o que nos dá uma noção de como a abordagem dos textos está voltada para a questão da inclusão social - assunto tão em voga hoje em dia -, porém dentro de uma ótica mais ambiental. São textos, ora com viés mais generalista, ora com um foco mais voltado a uma localidade em particular. São Paulo, Montevidéu, Rio de Janeiro, Cidade do México, Salvador (Bahia) e Santiago, são exemplos de cidades comentadas no livro que apresentam algum tipo de problema urbanístico. Cada autor, com seu texto, procura trazer sua solução ou, pelo menos, apresentar sua sugestão de melhoria.

Com capa dura, traz muitas fotos e ilustrações de cidades, praças, construções, plantas arquitetônicas, mapas, pontes e vilarejos, evitando, assim, o caráter puramente textual, o que ajuda, inclusive, a tornar a leitura mais leve e compreensível. Os textos, concomitantemente, são apresentados em duas línguas, o português e o espanhol.

Enfim, Urbanismo Ecológico na América Latina é um livro voltado para aqueles que amam arquitetura e urbanismo, sejam profissionais ou amadores, e que se interessam também pela questão ambiental. Com textos ricos e densos, proporciona uma leitura curiosa e reveladora sobre aspectos urbanos com os quais convivemos e nem imaginamos que poderiam ser diferentes (e, possivelmente, melhores). Imprescindível.