BRASIL · Parcele suas compras em até 3 x sem juros com o Paypal, parcelas mínimas de R$ 50,00

A condição contemporânea da arquitetura

Fora de estoque

Avisar quando estiver disponível:
E-mail:

Hoje, transcorrida uma década e meia do século xxi, já temos o distanciamento suficiente para interpretar a evolução da arquitetura do final do século passado até a atualidade e detectar as características mais evidentes desse período. Neste estudo, que continua a obra Depois do movimento moderno. Arquitectura da segunda metade do século xx (Editorial Gustavo Gili, 2001), Josep Maria Montaner revisa a arquitetura que vai de 1990 a 2015, época que se caracterizou pelo apogeu e a crise da arquitetura entendida como objeto isolado e monumental, de custo exorbitante, e que mostrou o surgimento de alternativas contra o desperdício, a falta de contextualização e a ausência de valores: o renascimento da crítica radical e ativista, a defesa do urbanismo e da arquitetura informais e a intensificação da arquitetura ecológica e sustentável entendida como o bom uso dos recursos.

Descrição técnica do livro:

14 x 20 cm
128 páginas
Português
ISBN/EAN: 9788584520497
Brochura
2016
Descrição
Descrição

Detalhes

Hoje, transcorrida uma década e meia do século xxi, já temos o distanciamento suficiente para interpretar a evolução da arquitetura do final do século passado até a atualidade e detectar as características mais evidentes desse período. Neste estudo, que continua a obra Depois do movimento moderno. Arquitectura da segunda metade do século xx (Editorial Gustavo Gili, 2001), Josep Maria Montaner revisa a arquitetura que vai de 1990 a 2015, época que se caracterizou pelo apogeu e a crise da arquitetura entendida como objeto isolado e monumental, de custo exorbitante, e que mostrou o surgimento de alternativas contra o desperdício, a falta de contextualização e a ausência de valores: o renascimento da crítica radical e ativista, a defesa do urbanismo e da arquitetura informais e a intensificação da arquitetura ecológica e sustentável entendida como o bom uso dos recursos.

Josep Maria Montaner (1954) é doutor em arquitetura e professor catedrático do Departamento de Composição Arquitetônica da Escola Tècnica Superior d’Arquitetura de Barcelona (ETSAB-UPC). Já foi professor convidado em diversas universidades da Europa, América e Ásia e é autor de inúmeros artigos e publicações, como Sistemas arquitetônicos contemporâneos (2015), A modernidade superada (2011), Arquitetura e política (2014, com Zaida Muxí), Arquitetura e crítica (2014) e Do diagrama às experiências (2017), também publicados pela Editora Gustavo Gili. Colaborador habitual de revistas de arquitetura e do jornal espanhol El País, em junho de 2015 foi nomeado conselheiro de habitação e conselheiro distrital de Sant Martí na Prefeitura de Barcelona.

Índice
Índice

Sumário

Introdução

A continuidade do racionalismo e dos princípios modernistas
A aceitação do organicismo
Cultura, tipologia e memória urbana: monumentalidade e domesticidade
Arquitetura e fenomenologia
Fragmentação, caos e iconicidade
Diagramas de energia
Da crítica radical aos grupos: arquiteturas da informalidade
Arquiteturas do meio ambiente

Agradecimentos
Índice onomástico
Créditos das ilustrações

Leia um trecho
Leia um trecho

Trecho da introdução

Introdução

Transcorrida uma década e meia do século XXI, já podemos começar a interpretar a evolução da arquitetura desde o final do século passado e detectar as características mais notáveis deste novo período. Esta obra, que pode ser considerada uma continuação do livro Depois do movimento moderno: Arquitetura da segunda metade do século XX (1993), repensa a arquitetura do período entre 1990 e 2015 e revisa as correntes hegemônicas das décadas de 1970 e 1980 para comprovar quais aspectos se tornaram ultrapassados e quais foram renovados e que conceitos e movimentos surgiram neste novo século.

O debate sobre a arquitetura pós-moderna como linguagem formal tornou-se pouco relevante. Para isso, foi muito frutífera a diferenciação entre um pós-modernismo filosófico, moral e social como crítica humanista e feminista ao modernismo universalista, justificada especialmente pelo pós-estruturalismo ainda vigente, bem como pelo pós-modernismo estético, mais estilístico e superficial, conjuntural e efêmero. Além disso, hoje se comprova como o movimento pós-moder-no coincidiu com o delírio final do sistema analógico de representação da arquitetura, justamente quando começou a surgir a representação digital.

A mescla eclética e historicista que dominou a arquitetura mais comercial e emblemática do período pós-moderno está perdendo vigor. Ainda que os defensores do novo urbanismo nos Estados Unidos continuem fazendo a apologia de uma arquitetura retroativa, hoje a influência de personagens como Rob Krier ou Philippe Stark é menos relevante, e parte da arquitetura eclética se tornou icônica. Assim como veremos no primeiro capítulo desta obra, no desenvolvimento da arquitetura corporativa e comercial predomina uma retórica “metarracionalista”, da qual também padecem projetos internacionais reconhecidos e na qual se faz uma mistura comercial de elementos de linguagens contemporâneas procedentes de diversas arquiteturas eruditas.

Denominações como “arquitetura desconstrutivista” – que viabilizou o surgimento de experiências a partir dos novos meios de representação gráfica – ou “regionalismo crítico” – uma invenção paternalista da crítica dominante feita para se apropriar do progresso da arquitetura nos continentes americano e asiático – se tornaram obsoletas para interpretar a contemporaneidade.

Ao longo do período analisado por este livro, chegou-se a um apogeu e a uma crise da arquitetura entendida como artefato isolado, monumental e de custo excessivo. A ausência, neste estudo, de certos arquitetos de grandes empresas comerciais – os quais carecem de princípios éticos – não é um esquecimento casual, mas uma escolha proposital. Os excessos dessa arquitetura do desperdício e da ostentação têm provocado o surgimento de alternativas como aquelas que serão analisadas nos dois últimos capítulos e que reagem contra a falta de contexto e a ausência de valores: o renascer da crítica radical e engajada, relacionado com o desenvolvimento de novos métodos pedagógicos; a defesa do urbanismo e da arquitetura informal e a intensificação da arquitetura ecologicamente sustentável, entendida como aquela que faz o uso adequado dos recursos naturais. [...]

Copyright dos textos: os autores
Copyright da presente ediçao: Editorial Gustavo Gili SL

Leia no GGBlog
Leia no GGBlog

Resenhas de Cliente

Dê-nos sua opinião

Escrever sua própria revisão

Você está revisando: A condição contemporânea da arquitetura

Como você avalia este produto? *