BRASIL · Parcele suas compras em até 3 x sem juros com o Paypal, parcelas mínimas de R$ 50,00

101 regras básicas para uma arquitetura de baixo consumo energético

Um livro de Huw Heywood

Para evitar o calor nos interiores, não se deve permitir que o sol penetre neles. As cores do exterior afetam o consumo energético. Uma janela alta permite que a luz natural entre com maior profundidade em um ambiente. Os edifícios com grande massa termoacumuladora aquecem e esfriam lentamente, enquanto o contrário ocorre com os prédios leves. A água armazena mais calor que o concreto. A massa termoacumuladora é o oposto do isolamento térmico… Entender como as edificações respondem a seus entornos pode nos ajudar a reduzir de forma significativa o consumo de energia com calefação, refrigeração e iluminação artificiais.

Este livro reúne 101 regras básicas para otimizar o aproveitamento da energia natural na arqui¬tetura e projetar de um modo direto e intuitivo, de acordo com os princípios do baixo consumo energético. Trata-se de um guia fundamental e de fácil uso, repleto de bons conselhos e ilustra¬ções reveladoras que nos permitem apostar na redução do consumo de energia com base nos princípios mais básicos.

Descrição técnica do livro:

12 x 18 cm
240 páginas
Português
ISBN/EAN: 9788584520350
Brochura
2015 (ª edição)
Descrição
Descrição

Detalhes

Para evitar o calor nos interiores, não se deve permitir que o sol penetre neles. As cores do exterior afetam o consumo energético. Uma janela alta permite que a luz natural entre com maior profundidade em um ambiente. Os edifícios com grande massa termoacumuladora aquecem e esfriam lentamente, enquanto o contrário ocorre com os prédios leves. A água armazena mais calor que o concreto. A massa termoacumuladora é o oposto do isolamento térmico… Entender como as edificações respondem a seus entornos pode nos ajudar a reduzir de forma significativa o consumo de energia com calefação, refrigeração e iluminação artificiais.

Este livro reúne 101 regras básicas para otimizar o aproveitamento da energia natural na arqui¬tetura e projetar de um modo direto e intuitivo, de acordo com os princípios do baixo consumo energético. Trata-se de um guia fundamental e de fácil uso, repleto de bons conselhos e ilustra¬ções reveladoras que nos permitem apostar na redução do consumo de energia com base nos princípios mais básicos.

Huw Heywood é arquiteto. Com mais de vinte anos de prática em nível internacional, já trabalhou em projetos de escalas muito diferentes no Reino Unido, na Alemanha e na China. Atualmente é professor de graduação e pós-graduação na Escola de Arquitetura da Universidade de Portsmouth, onde tem focado na docência e na pesquisa sobre o urbanismo e a arquitetura sustentáveis.

Índice
Índice

Sumário

Prefácio
Introdução

Capítulo 1:
Trabalhar a situação e a localização

Capítulo 2:
Manipular a orientação solar e a forma arquitetônica

Capítulo 3:
As vedações externas de uma edificação de baixo consumo energético

Capítulo 4:
A energia e o ambiente interno

Capítulo 5:
Regras e estratégias para diferentes regiões climáticas

Bibliografia narrativa
Bibliografia
Índice
Agradecimentos

Leia um trecho
Leia um trecho

Texto da introdução

Prefácio

Ao longo da história, os povos vêm construindo edificações com uma sensibilidade intuitiva em relação ao meio ambiente e ao clima dos locais em que vivem, garantindo seu próprio conforto e, ao mesmo tempo, respeitando seus recursos limitados e trabalhando de acordo com as forças da natureza – e não contra elas. Podemos reduzir de modo significativo nossa necessidade de energia se resgatarmos a compreensão dos princípios básicos envolvidos nas maneiras pelas quais as edificações respondem a seus entornos. O foco principal deste livro é oferecer orientações sobre o design de edificações que precisam de pouca energia para sua calefação, refrigeração e iluminação (ou chegam a dispensá-la completamente).

Consumimos energia para aquecer, resfriar e iluminar nossos prédios. Grande parte da energia que usamos deriva de combustíveis fósseis (petróleo, carvão mineral, gás), que são recursos globais mas finitos. Ou seja: um dia, eles acabarão. Antes de buscar a substituição dessas fontes energéticas derivadas de combustíveis fósseis por fontes de energia alternativas ou renováveis (energia solar, eólica, hidráulica ou biomassa), deveríamos garantir que nossas edificações usem o mínimo de energia possível – qualquer que seja sua origem. Toda fonte de energia resultará, em virtude de sua conversão, distribuição e consumo, em impactos negativos no planeta.

Além do fato de os combustíveis fósseis serem um recurso finito, há uma segunda razão para reduzirmos a quantidade de energia consumida por nossas edificações. A maneira como convertemos os combustíveis fósseis na energia que usamos para calefação, refrigeração, iluminação e outros sistemas elétricos resulta na liberação de dióxido de carbono (CO2), um dos gases de efeito estufa. Assim, já está estabelecida a relação entre as edificações, o aquecimento global e a mudança climática. Na verdade, as edificações são responsáveis por quase a metade de todas as emissões antropogênicas de CO2.

É inegável que se consome energia na construção de edificações – por exemplo, na escavação mecânica da argila, no seu cozimento e no transporte dos tijolos resultantes ao canteiro de obras – e isso é um problema sério que deve ser enfrentado pelos designers. Contudo, a maior parte da energia consumida pelas edificações é durante sua vida útil. Assim, todos nós que contratamos, projetamos, administramos e ocupamos edificações temos um papel e uma responsabilidade importantes na redução da energia consumida durante a operação desses artefatos.

Copyright dos textos: os autores
Copyright da presente ediçao: Editorial Gustavo Gili SL

O que a imprensa disse
O que a imprensa disse

101 Regras básicas para uma arquitetura de consumo energético

(Nadine Voitille, Clique Arquietura, 02/16)

Ler mais

« Escrito pelo arquiteto Huw Heywood, o livro 101 Regras Básicas para uma Arquitetura de Baixo Consumo Energético oferece orientações sobre o design de edificações para que estas consumam menos energia com calefação, refrigeração e iluminação.» (Nadine Voitille, Clique Arquietura, 02/16)

101 Regras básicas para uma arquitetura de consumo energético

(Victor Delaqua, ArchDaily, 03/16)

Ler mais

«Este livro reúne 101 regras básicas para otimizar o aproveitamento da energia natural na arquitetura e projetar de um modo direto e intuitivo, de acordo com os princípios do baixo consumo energético.» (Victor Delaqua, ArchDaily, 03/16)

101 Regras básicas para uma arquitetura de consumo energético

(Elenara Leitão, Arquitetando Ideias, 03/16)

Ler mais

«Desde a primeira caverna, o abrigo primordial, os homens e mulheres tem se debruçado e erigido do mais simples ao mais grandioso.» (Elenara Leitão, Arquitetando Ideias, 03/16)

Leia no GGBlog
Leia no GGBlog

Resenhas de Cliente

Dê-nos sua opinião

Escrever sua própria revisão

Você está revisando: 101 regras básicas para uma arquitetura de baixo consumo energético

Como você avalia este produto? *

Saleiro Filho
Livro Fundamental.
Livro fundamental para quem trabalha com Ensino, Pesquisa e Extensão no contexto universitário nos cursos de graduação em arquitetura e urbanismo.